sábado, 6 de dezembro de 2014

Perder-te

Sempre achei - inocentemente - que ela iria ser eterna. Apesar da idade já ser avançada, brincava com ela como se estivesse permanentemente na casa dos cinquenta. Era a minha amiga, a minha mãe, quem me dava carinho e quem ralhava comigo como se não houvesse amanhã. Onde iria eu aprender a apagar as luzes das divisões da casa, se não fosse ela a dizer "apaga a luz" mesmo antes de eu sair? Lembro-me de dançarmos a valsa, na sala, sem música. Lembro-me de lhe pedir para dizer frases em inglês, só para conseguirmos rir as duas dos disparates que saiam dali. 

Já eu era crescida e ainda ela me tratava como se fosse um bebé, para ela eu não podia lavar um prato ou fazer um ovo mexido, podia queimar-me (e era algo muito perigoso). Amava os filhos e era sincera, afirmava sempre que gostava dos netos, mas que nunca iria gostar mais deles do que dos seus filhos. Dizia que não queria morrer e chorava quando lhe desejávamos os parabéns, por saber que podiam ser os últimos.  Por esta altura, já eu a abraçava todos os dias como se tivesse medo que não houvesse amanhã.  A cada chegada gritava "Então avozinha?" e ela respondia sempre com um sorriso nos lábios. Amo-a. E ela vai estar sempre presente. É nesta alturas que sei que Deus está do meu lado: apesar do momento ser dos piores da minha vida, só consigo lembrar-me das coisas boas, só consigo lembrar-me de tudo o que ela me deu de bom. E é isso que me faz sofrer menos. 


Ontem perdi a minha avó de 92 anos. Não se deixem enganar pela idade, pois era uma pessoa autónoma e lúcida da cabeça aos pés. Um AVC levou-a de mim. Perdoem-me o mal entendido do post anterior. 

8 comentários:

  1. Ó Angel :/ Sei bem o que está a sentir, fez esta semana um mês que também perdi a minha avó!! E infelizmente não é a primeira vez que passo pela situação. Da experiência que tenho, a dor atenua mas nunca passa, eu pelo menos não consigo falar ou sequer pensar na minha avó (que já morreu à 7 anos) sem desatar num pranto!
    Desculpa estar a alongar!!
    Um beijinho muito grande e com muita força :) Qualquer coisa sabes por onde ando ;)

    ResponderEliminar
  2. Ela vive contigo, no teu coração e no teu pensamento.. E recorda sempre os momentos bons :)
    Força Angel

    ResponderEliminar
  3. :s eu nem sei o que estás a sentir. Ainda tenho ambas as avós mas a materna para mim é a minha jóia preciosa. Vivi com ela até aos 9 anos e somos inseparáveis. Não há uma única semana em que não tire um dia para estar só com ela, ajuda-la com as compras ou com as limpezas de casa. E sou como tu, abraço-a e digo sempre «Então avozinha?» :') nem sei o que será quando ela partir. Muitas vezes penso nisso, cada vez com mais frequência pois sei que cada dia que passa está mais perto desse dia. A ti, desejo-te força. É bom estares de certa forma «em paz» com o sucedido e só recordares as coisas boas. O amor que lhe tens fará com que estejas sempre próxima dela ainda que não a vejas.

    Beijinhos e coragem!

    ResponderEliminar
  4. sei o que isso é, perdi o meu avô há uma semana e ainda nem sequer acredito. Ele tinha 83 anos mas também estava completamente lúcido, apenas com o coração mais fraco, infelizmente, quando parecia que tudo estava bem, acontece o pior! Muita força para ti e para a família!

    ResponderEliminar
  5. Muita força. A vida é dura, mas há momentos que valem a pena.
    Tenho a certeza que todos os momentos que passaste coma tua avó valeram a pena.
    Lembra-te apenas deles.
    Não vás a baixo.
    Tens mais uma estrelinha a cuidar de ti.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Que pena querida...força! Caso precises de desabafar, estou aqui <3
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  7. Quero desejar-te muita força, sei perfeitamente o que é perder um ente querido com o qual te davas as mil maravilhas. Custa , mas vais conseguir com que essa dor abrande. Caso precises de algo, avisa <3
    r: Eu acho que isto dos talent shows acabam por nos sugar o amor que temos pelo o que fazemos, é horrivel quando pessoas que não conheces de lado nenhum te dizem que secalhar o que tu achavas fazer melhor não era realmente ''bom o suficiente''.

    ResponderEliminar