quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Deixa as palavras voarem | Objectivos

Este é o segundo tema do desafio da Adelissa M para o mês de Janeiro, portanto deixo-vos o meu texto sobre objectivos.


Querer e precisar são coisas diferentes. E, geralmente, traçamos objectivos com base naquilo que precisamos, e é esse o problema: Precisar não é - obrigatoriamente - querer. E sem querer, sem vontade, sem aquela força que nos move quando queremos muito alguma coisa, não chegamos lá, não ultrapassamos a meta. Sempre ouvi dizer: "Querer é poder" e considero esta pequena frase uma verdade absoluta. Quando queremos, arranjamos forma, fazemos impossíveis e inventamos horas nos nossos dias. Devemos aprender a querer - mais que tudo - aquilo que precisamos e, vamos ver as nossas metas todas alcançadas, uma por uma e mais rápido do que  imaginamos. Eu preciso de mudar a minha vida, mas eu realmente quero isso? Eu quero realmente mudar? Não sei. Sei que quero muito querer mudar. Mas neste momento, apenas preciso e assim não vou sair daqui. Vou ficar estagnada. Quando pensam naquilo que têm como objectivo, pensem naquilo que querem e escrevam.Aquilo que precisam, ganhem força para querer. Assim, vamos chegar ao fim da nossa lista, orgulhosos de nós: cumprimos aquilo que queríamos. Porque lá está: nós queríamos alcançar tudo aquilo que lá escrevemos. Deixam as necessidade como nota mental, e escrevam quando deixarem de ser necessidades.Sejam egoístas, digam "Eu quero". Porque se eu quero, eu posso. 

6 comentários:

  1. Adorei este teu textinho :) Fez-me pensar R: Obrigada :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Nunca pensei dessa maneira mas até acho que tens razão!!

    ResponderEliminar
  3. Olha que não é assim tão simples. Querer é muito importante, mas não chega. Para atingir um objetivo, há muitos obstáculos a vencer e é importante querer vencê-los, mas não chega. Mais de metade dos nossos sonhos, nunca chegam a passar disso mesmo: sonhos. E não é à falta de "querer". É por haver muitas pessoas a querer o que não chega para todos.
    É claro que, sem nos apercebermos, vamos adaptando o nosso "querer". Hoje queremos o euromilhões, mais tarde já nos contentamos com uma "raspadinha" e para não sentirmos o peso da frustração, dizemos: para que é que eu queria tanto dinheiro, se o dinheiro não traz felicidade? Para que é que eu queria ser doutor, se sou feliz a repor artigos nas prateleiras do Continente? Para que é havia de ir naquela viagem de sonho pelo mundo, se Portugal tem lugares tão bonitos?
    Pensando bem, o nosso "querer" resume-se a saber querer o que é possível.
    Falamos daqui a 50 anos. :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei minha querida :) tens toda a razão!

    ResponderEliminar
  5. Adorei o texto, adorei a tua perspectiva! :)

    ResponderEliminar