sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Sete em ponto

Atrasos não são o meu forte. Gosto de chegar a tempo, ou antes do tempo. Se existe uma hora marcada, é por algum motivo. Se marquei uma hora, tenho  um compromisso e, um compromisso deve ser honrado. Tenha ele a importância que tiver, mesmo que seja apenas um café com uma amiga muito próxima, que me receberá de braços abertos depois de ter estado meia hora à espera. Se não consigo cumprir um horário num encontro tão simples, como vou conseguir em coisas maiores? Já o meu pai me dizia "Se queres ter um cão, tudo bem, mas primeiro vais ter um periquito e cuidar dele, depois logo se vê". As pessoas são o que querem ser mas, tenho que confessar que acho isso muito difícil, (não estou a dizer que é impossível) pois tudo o que somos, cada bocadinho, fomos buscar a alguém próximo, familiar. Mesmo que não seja evidente. Por isso, acho que a educação e o  ambiente em que crescemos contam muito. Os quatros anos em que frequentei a escola primária, vivi em casa dos meus avós. O meu avó era encarregado de construção civil e, tinha como dever ser o primeiro a chegar à obra. Dar o exemplo. A minha escola primária começava às nove horas da manhã e ficava, sensivelmente, a três - pequenos - quilómetros de casa. A minha avó não tinha carta e o meu avó era a minha única hipótese de não ir a pé, a gelar o meu pequeno nariz, naqueles dias de Inverno. Ele tinha que sair de casa às sete da manhã, o que significava muito menos horas para mim na cama. Nunca fui avisada que as sete horas eram para ser - religiosamente - em ponto. O único aviso que recebi (que era muito típico da personalidade do meu avó) foi: "Não vou esperar por ti dentro de casa, às sete em ponto vais ter à carrinha". Um dia, eu descobri o que eram sete em ponto: se fossem sete e cinco, ele já não estaria à minha espera e eu, tinha que ir a pé para a escola acompanhada da minha avó ( e com apenas seis ou sete anos eu não gostava de andar com ela a pé, para mim era aborrecido ter de andar tão devagar ). A minha falta de pontualidade tinha - sempre - um castigo associado, mesmo quando eu era apenas um criança. Sim, ele não tinha pena de ir embora e deixar-me para trás.Ele sabia que eu no dia seguinte já não me ia atrasar. E assim foi. "Quem tem compromissos, não dorme", dizia ele. 


13 comentários:

  1. Também odeio atrasos !! É uma coisa que mexe comigo profundamente !
    DIY lindo e super simples no blog http://hashtagwwgu.blogspot.pt/
    beijo

    ResponderEliminar
  2. Estamos ligadas no teu blog lindo, fica no nosso !! :)
    xoxo

    ResponderEliminar
  3. Acho que foi uma bonita lição a que o teu avô te passou! :)

    ResponderEliminar
  4. A educação devia continuar a ser assim! Eu tambem fui educada assim...


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Concordo plenamente com o teu avô. Eu também tenho um sentido de responsabilidade que não me permite chegar atrasada. Nem é pelos outros, eu não fico bem com a minha consciência se estiver atrasada seja para o que for! Chego sempre 15 minutos antes da hora marcada e quando alguém se atrasa leva comigo e com o meu mau humor. No início o F' atrasava-se imenso, era capaz de me deixar à espera 40min ou mais! Aquilo para mim era demais, mas para ele era natural. Toda a família dele chega atrasada a tudo e ele cresceu ali no meio, a achar que chegar atrasado a tudo era algo natural. Tanto e ouviu que agora não se atrasa para nada. E ainda bem porque eu ia deixar de esperar por ele se os atrasos continuassem.

    ResponderEliminar
  6. nunca gostei de esperar pelos outros, é por isso que tento sempre chegar a horas quando se combina algo, de forma a não fazer os outros esperar!

    ResponderEliminar
  7. Nas férias quando era mais pequena costumava encontrar-me uma amiga. Marcávamos uma hora e um sitio especifico, cujo sitio era praticamente à beira da casa dela. Ela nunca chegava a horas e isso aborrecia-me porque às vezes ficava para ai meia hora à espera dela, quando eu, é que tinha vindo de mais longe e ela morava ali. Um dia dei-lhe o retorno da moeda, comecei a sair de casa à hora que tínhamos combinado, a partir daí começou ela a esperar por mim e também não gostava da situação. Por isso, concordo plenamente com o teu avô.

    ResponderEliminar
  8. r: Também ando preguiçosa mas hoje acordei e pensei 'Hoje é o dia, vou acabar aquele livro dê por onde der' xD E foi ahah

    ResponderEliminar
  9. que verdade!! tbm não gosto nada mas nada de atrasos :)
    beijinhos, estou a seguir :D
    http://beuniqueblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Gostei muito! Adoro as lições que os nossos avós nos dão!

    ResponderEliminar
  11. Detesto atrasar-me e que se atrasem! Mas o que me deixa mesmo os nervos em franja é quando se atrasam e nem sequer se dignam a avisar!

    ResponderEliminar
  12. R: ahah, sim é bem bonito! confesso que isso também me cativou (:
    Beijinho

    ResponderEliminar
  13. Também odeio chegar atrasada e que os outros me façam esperar por eles. Para mim, compromissos são compromissos. Na primária vivia (com a minha avó) ao lado da escola, mas a partir do 5.º ano, apanhava sempre boleia com o meu pai, que passava algures por perto da casa dela para me levar pelas 7:30 da manhã. Quando passei a viver permanentemente com os meus pais, saía de casa com ele a essa hora mais ou menos, porque era a boleia que tinha, mesmo que tivesse aulas somente horas depois. Ele também não esperava por mim, ou me levantava, ou que me arranjasse, que mais ninguém me ia levar.
    *****

    ResponderEliminar